sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Manuel Medeiros

homenagem a mais um dos melhores de Setúbal.
Conhecemos Manuel Medeiros (MM) ainda uma criança, como pensamos que aconteceu a muitos de nós, nascidos ou criados nesta terra. Como muitos de nós, Medeiros não nasceu em Setúbal, mas tomou-a como sua. Tendo-se radicado nesta cidade em idade adulta e madura ele e sua esposa, companheira de sempre (um grande abraço à Fátima) aqui criaram os seus filhos (da nossa geração) e a Culsete. Entre livros viveu e aos livros dedicou toda a sua vida e energia. Foi com certeza o seu mais ilustre divulgador nesta cidade e também um dos que mais os amou.
Conhecemo-lo pessoalmente quando ainda aluno do Liceu (Escola Secundária do Bocage) nos demos em organizar, conjuntamente com os meus grandes amigos João Manuel Pereira e Nuno Luís, a "Semana do Teatro". Organizamos vários acontecimentos, juntando autores, atores e atrizes, encenadores, vendo peças e como não podia deixar de ser ... mostrar livros escritos e adotados para teatro... e quem mais podia em Setúbal, nessa época, ou em qualquer outra, dispor-se a fazer uma feira do livro numa escola secundária especificamente sobre o texto dramaturgo, organizado por um bando de miúdos, ainda que apoiados, a uma certa distância, por dois ou três professores? O Manuel Medeiros claro está. Se não nos atraiçoa a memória isto correu em 1986, tínhamos nós 15 ou 16 anos. Este Senhor, como então lhe chamávamos e como sempre o vimos, recebe-nos na sua Culsete...ouviu-nos e resolveu levar esta empreitada  adiante...connosco. Só ele. Outros encontros tivemos...mas deste resultou um respeito mútuo (pelo menos assim o sentimos) que não mais se quebrou. 

Desta primeira aventura conjunta resultaram vários encontros e destes uma lição que não mais esquecemos. Das muitas conversas que tivemos para organizar o evento - o MM era um conversador incansável como sabem - falámos de um livro de que ambos gostávamos muito: o "Principezinho" de Antoine de Saint-Exupéry. Defendemos  então que, mesmo quem não tivesse tido acesso ao livro na infância em qualquer altura poderia ler e apreciar esta obra. Mas MM, na sua imensa sabedoria, discordou. Chamando-nos a atenção para algo que, de tão evidente, muitas vezes nos esquecemos. "Mas Paulo o "Principezinho" pode ser lido e apreciado qualquer idade é verdade...mas nunca poderá ser lido por estes com os olhos de criança". Uma evidência que registei para a vida.

Obrigado Sr. Medeiros. Valeu muito a pena
...até sempre... 

(tivemos a felicidade de o rever pessoalmente recentemente na Casa da Cultura a propósito do 40 anos da sua Culsete).


Paulo Pisco

24/10/2013

in  Memórias de Adriano

Sem comentários:

Enviar um comentário