quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

VEM AÍ O VI ENCONTRO LIVREIRO

 
DSCF9514
(Rosa Azevedo, Nuno Medeiros e Nuno Fonseca, no V Encontro Livreiro)
 
É já no próximo 29 de março, exatamente daqui a dois meses, que a Culsete vai receber o  VI ENCONTRO LIVREIRO.
Vamos abrir portas para, com quem aparecer, passarmos uma tarde de domingo diferente, debatendo ideias sobre questões relacionadas com a problemática do livro e da leitura.
O ENCONTRO LIVREIRO não é apenas um encontro de livreiros. É antes um encontro de todas as gentes do livro, do leitor ao investigador, passando pelo editor, pelo livreiro, pelo tradutor, pelo designer gráfico, pelo revisor, pelo ilustrador, pelo bibliotecário, pelo autor, pelo agente literário, enfim, por todos os que trabalham e vivem na esfera do livro.
Haverá no início do Encontro, às 15 horas, o habitual apontamento musical e o moscatel de Setúbal marcará como sempre o clima de convívio.
Em breve anunciaremos o nome do livreiro a quem será atribuído o diploma LIVREIRO DA ESPERANÇA 2015, uma singela homenagem deste movimento àqueles que dedicaram uma vida a promover o livro e a leitura, continuando as suas livrarias a ser espaços de resistência e persistência cultural.
Iniciando o VI ENCONTRO LIVREIRO um novo lustro, sentiu o núcleo fundador necessidade de fazer alguns ajustes. Assim, o debate far-se-á em torno de uma temática comum que será introduzida pelo chamado texto do Encontro, que em breve estaremos em condições de divulgar.
Portanto, já sabe: Em março todos os caminhos vêm dar a Setúbal, à Culsete, ao VI ENCONTRO LIVREIRO.
Contamos consigo!
 
CULSETE, A PAIXÃO DA LEITURA













quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Traga as suas crianças à nossa livraria

 

DSCF9751

A pensar no acesso das nossas crianças à leitura e na inculcação de hábitos relacionados com a descoberta e o encontro com os livros, no empenho dos pais em permitirem que sejam elas a escolher os livros que desejam ler e no desejo de que os seus presentes de aniversário aos amigos e colegas sejam livros, a Culsete criou a campanha «Traga os seus filhos à nossa livraria», pretendendo envolver a família no desenvolvimento da leitura dos mais novos, fazendo-o através da Escola.

Estamos a distribuir por escolas de vários níveis de ensino, cujos professores estejam interessados em colaborar connosco, talões de bónus a recair sobre a compra de livros infantis e juvenis, talões esses que devem ser entregues a todas as crianças, com o devido esclarecimento aos encarregados de educação sobre o sentido desta campanha. Ao efetuar uma compra, a criança ou o adulto que a acompanha entrega o seu talão de bónus e imediatamente recebe outro para compra futura. Esta campanha tem início imediato e prolonga-se até 30 de junho de 2015.

Os docentes aderentes têm também acesso a um talão de bónus da nossa livraria, nas mesmas condições dos talões das crianças.Por isso, se é docente e não recebeu ainda a circular promovendo esta campanha, mas deseja colaborar connosco nesta forma de alargar o acesso da criança ao livro, contacte-nos.

Se é familiar de alguma criança e ainda não lhe apresentaram esta campanha venha ter connosco à livraria e informe-se sobre a forma de participar.
Conte connosco! Contamos consigo!

 

CULSETE, A PAIXÃO DA LEITURA

 

 

domingo, 25 de janeiro de 2015

Luís Alves Dias: 18.02.1932–21.01.2015

 

(foto retirada de http://bairrocampodeourique.blogspot.pt/)

Foi com imenso pesar que soubemos do falecimento, após algum tempo de internamento, de Luís Alves Dias, o histórico livreiro da Livraria Ler.
O mundo do livro está mais pobre, a classe dos livreiros perdeu um dos seus elementos mais importantes das últimas décadas. A equipa da Culsete envia o seu abraço de solidariedade à família, aos colaboradores e amigos do livreiro.

Luís Alves Dias começou a trabalhar em livraria na Aillaud & Lello da Rua do Carmo quando tinha apenas 13 anos. Aí se apaixonou pelos livros e pelo trabalho de livreiro. Foi essa, segundo palavra suas, a sua universidade. Aí conheceu grande parte dos intelectuais que frequentavam os meios livreiros naquele tempo. Em 1959 foi trabalhar para a Livraria do Diário de Notícias, no Rossio, e em 1963 integrou o grupo que fundou o Centro do Livro Brasileiro, compatibilizando o trabalho de livreiro com as encomendas de livros para o Brasil.

Em fevereiro de 1970 abre ao público, em Campo de Ourique, a sua livraria, a Ler, cuja esfera de influência se irá aos poucos alargando do bairro a toda a cidade de Lisboa. Aí viverá um longo historial de enfrentamento e luta contra a censura. Muita gente, de muitos lados, aí acorria para comprar os livros apreendidos que sempre soube esconder. Muitos de nós ainda se lembram dos autos de apreensão que expôs aos olhos do público após o 25 de Abril.

Foi também editor. Quem não tem em casa um dos livros de José da Felicidade Alves dos inícios de 1970 ou alguns dos Cadernos Maria da Fonte, que se editaram até aos anos 80?

O legado de Luís Alves Dias é grande, a sua livraria felizmente continua firme contra ventos e tempestades, tendo agora ao leme o filho do livreiro, e também editor, Luís Alves.

F.R.M.

 

CULSETE, A PAIXÃO DA LEITURA