quinta-feira, 26 de março de 2015

A SAUNA DO LIVRO

 

Ao que parece, continua muita gente feliz e contente com a instalação de uma única tenda em Setúbal, na placa central da Av. Luísa Todi, exageradamente denominada por Feira do Livro.

Primeiro que tudo, só lá habita um vendedor (e nem sequer é cá da terra), não existe, portanto, concorrência, não há Feira alguma, tal epíteto é desleal e enganador. Encontram-se livros tão ou mais baratos, interessantes e variados, nas seguintes quatro livrarias setubalenses (por ordem alfabética, por causa das coisas) — Culsete, Galo, Hemus, Uni-Verso.

Para além do mais, a maioria dos títulos em promoção que recheiam a dita tenda são puro lixo; e ao fim de 10 minutos lá dentro, começamos a destilar como numa sauna: faz efeito de estufa.

Sei do que falo, passei por lá de bicicleta há coisa de dois anos e tive que entrar, gosto de livros (o que é que hei-de fazer?); e, contradizendo a minha actual convicção, até comprei alguns. Só depois, em conversa com os livreiros locais, convivendo com as suas dificuldades diárias, é que tomei consciência do erro cometido.

Faço uso das presentes linhas para me desculpar perante tal resiliência, a dos livreiros de Setúbal, deixando-lhes aqui a minha homenagem — uma vénia!

E para não ser acusado de ter escrito apenas um texto empertigado, como alguns críticos inflamados que dizem mal de tudo sem nunca apresentarem soluções, aqui vai uma sugestão: Para quando uma Feira do Livro, autêntica, em Setúbal? Com vários pontos de venda, em que as livrarias locais também fossem convidadas a marcar presença? Era mais bonito, mais justo, e ficávamos todos a ganhar.

José Nobre

Obrigada, Zé, em meu nome e dos meus colegas livreiros de Setúbal.

Já não bastava a crise geral que todos vivemos, já não bastavam as livrarias do Allegro… Daqui a um mês temos a Feira do Livro de Lisboa, que nos prejudica bastante aqui em Setúbal. Chega agora a tenda, com todos os apoios institucionais, sem respeito por nós, livreiros, sem respeito pelos leitores, porque o que eles vendam é apenas… . Como é que continuam a permitir a instalação desta tenda?

As livrarias de Setúbal são capazes de  organizar uma feira do livro sem interferências de mais ninguém, como já fizeram. Não precisam que uma empresa de livros descatalogados ou pouco procurados saia da Gare do Oriente ou de outros espaços do género para vir para cá. É triste ler a generalidade do “programa de animação” oferecido por esse espaço. É mesmo lamentável!

Obrigada, Zé Nobre, por juntares a tua voz à nossa.

Espero que outros o façam.

Fátima Ribeiro de Medeiros

 

Sem comentários:

Enviar um comentário